quarta-feira, 8 de julho de 2009

O Convite

Não me interessa saber como você ganha a vida. Quero saber o que mais deseja e se ousa sonhar em satisfazer os anseios do seu coração.

Não me interessa saber sua idade. Quero saber se você correria o risco de parecer tolo por amor, pelo seu sonho, pela aventura de estar vivo.

Não me interessa saber que planetas estão em quadratura com sua lua. O que eu quero saber é se você já foi até o fundo de sua própria tristeza, se as traições da vida o enriqueceram ou se você se retraiu e se fechou, com medo de mais dor. Quero saber se você consegue conviver com a dor, a minha ou a sua, sem tentar escondê-la, disfarçá-la ou remediá-la.

Quero saber se você é capaz de conviver com a alegria, a minha ou a sua, de dançar com total abandono e deixar o êxtase penetrar até a ponta dos seus dedos, sem nos advertir que sejamos cuidadosos, que sejamos realistas, que nos lembremos das limitações da condição humana.

Não me interessa se a história que você me conta é verdadeira. Quero saber se é capaz de desapontar o outro para se manter fiel a si mesmo. Se é capaz de suportar uma acusação de traição e não trair sua própria alma, ou ser infiel e, mesmo assim, ser digno de confiança.

Quero saber se você é capaz de enxergar a beleza no dia-a-dia, ainda que ela não seja bonita, e fazer dela a fonte de sua vida.

Quero saber se você consegue viver com o fracasso, o seu e o meu, e ainda assim por-se de pé na beira do lago e gritar para o reflexo prateado da lua cheia: " Sim!"

Não me interessa saber onde você mora ou quanto dinheiro tem. Quero saber se, após uma noite de tristeza e desespero, exausto e ferido até os ossos, é capaz de fazer o que precisa ser feito para alimentar seus filhos.

Não me interessa quem você conhece ou como chegou até aqui. Quero saber se vai permanecer no centro do fogo comigo sem recuar.

Não me interessa onde, o que ou com quem estudou. Quero saber o que o sustenta, no seu íntimo, quando tudo mais desmorona.

Quero saber se é capaz de ficar só consigo mesmo e se nos momentos vazios realmente gosta da sua companhia.


Texto do livro O Convite de Oriah Mountain Dreamer


3 comentários:

NatiLopes disse...

eu simplesmente amei!!

sabe q adoro ter momentos meus!?!? adoro ficar um dia sozinha quietinha no meu canto, cantando alto, assistindo filme...eu comigo msm! rs

Letícia / PR disse...

Ta tristinha flor??

Ma Folie Design by Guta disse...

Nati esse livro é muito bom, vai adorar. Tb tenho meus momentos, acho q ontem foi um daqueles dias q eu precisava ficar só.

Le florzinha, eu nao estava num dia bom ontem, mas hj ja acordei animadona. Me envia e-mail dizendo qdo chega em sampa :)
bjokas